16/09/2015

Bubble Run e como perdemos o carro

Em agosto eu fui com a minha amiga Barbara pra uma corrida “temática”, aqui eles sempre tem esse tipo de corrida que é pra pessoas se divertirem e não pra corredores profissionais, tanto que era só 5km e cada km completado você passava por espumas coloridas.Eu sou sedentária, então no último km eu já tava morrendo e com muita fome. Nem café da manhã a gente tomou direito porque estávamos atrasadas. A corrida acabou por volta das 11hs e ficamos super felizes porque, enfim, estávamos indo comer!!! Saltitantes em direção ao carro, iam duas meninas inocentes… tão inocentes… tão burras… Cadê o carro?
A gente não lembrava onde tínhamos estacionado e andamos procurando o carro mais do que andamos na corrida, SÉRIO. Estávamos cansadas, sentamos num sofá que alguém deixou do lado de fora da casa pra doar (estávamos morrendo de nojo do sofá porque, né, vai saber…) e decidimos chamar um Uber pra ajudar a gente, não dava mais pra ficar andando e nossos pés doíam muito! O motorista do Uber era uma mulher então ela bem entendia pelo o que estávamos passando. Procuramos o carro por mais uns 20 minutos e nada, eu podia jurar que ele tinha se descoberto um Transformer e saiu andando por aí. Aí começamos a pensar na possibilidade de o carro ter sido roubado. (É, Nicole, Transformer sim mas roubo não…). Barbara começou a chorar, eu comecei a rir porque eu sempre dou risada em situações em que eu não posso rir, lindo isso.
A gente pediu pra moça do Uber deixar a gente lá, já que tava foda de achar o carro e esse Uber ficaria muito caro de tanta volta que a gente tava dando, ANDAMOS TODOS OS QUARTEIRÕES POSSÍVEIS! A moça do Uber ficou com dó porque estávamos sem dinheiro, sem documento, sem nada e ela falou que se fosse a filha dela ela gostaria que ajudassem. Então ela nos levou pra um McDonald’s lá perto e desceu com a gente pra comprar comida pras retardadas que não sabiam onde estava o carro. Fiz questão de ver se ela desligou o negócio do Uber ou se ia continuar cobrando hahaha. Quando ela se ofereceu pra comprar lanche pra gente eu disse que não recusaríamos porque estávamos famintas e não tínhamos a mínima ideia do que aconteceria a seguir, ela sentou e comeu com a gente, foi muuuuito fofa.

nós super felizes no Mc Donald's

nós super felizes no Mc Donald’s

Depois que comemos resolvemos que era hora de sair procurando o carro de novo (sem a motorista do Uber e com nossos pés fodidos). Demos mais milhares de voltas em todos os quarteirões possíveis – de novo – e NADA. O que aparece na nossa frente? O sofá! Aquele mesmo em que sentamos e tivemos a ideia de chamar o Uber. Sentamos de novo e estávamos completamente desoladas e as duas sem bateria no celular, eu nunca tive tanta certeza de que sou uma pessoa burra.
Um cara começou a puxar assunto com a gente porque, aparentemente, estávamos sentadas no sofá que o amigo dele estava doando, e depois de minutos de papo furado a gente falou que perdemos o carro e que não lembrávamos onde tinhamos estacionado e blá, blá, blá.
Do nada a Barbara lembrou que tirou uma selfie logo depois que saímos do carro pra ir pra Bubble Run e resolvemos mostrar pro cara (colocamos o celular pra recarregar no carro dele) pra ver se ele conhecia a rua, e nada… Mas aí ele chamou o amigo dele (aquele que tava doando o sofá) e esse gordinho-lindo-maravilhoso-super-inteligente-conhece-todas-as-ruas-da-vizinhança sabia onde era aquela rua e… ACHAMOS O CARRO. Eu abracei o gordinho, começamos a gritar de felicidade, quase choramos. Resultado: quatro horas procurando o carro. Provavelmente, só nesse dia, umas cinco pessoas acharam que éramos retardadas.
Tudo acabou bem graças a essa Selfie:

IMG-20150823-WA0001

Beijos, até a próxima burrada!

 

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *